Domingo

Domingo já foi meu Nêmesis.

Vai esvaindo a cada hora seus momentos de descanso, vai caindo o restinho de liberdade num conta-gotas, o Sol vai fazendo estúpido e determinado seu caminho de horizonte a horizonte mais uma vez. Não há como deter o domingo, dia que já nasce acabando.

Uma vez, eu, ingênuo, pensei: toda dor do domingo vêm da segunda, do medo da segunda, do não-gostar da segunda… Mas não, a dor não vem da segunda: o domingo dói sozinho. Vivêssemos nós em semanas com 7 domingos e seria o inferno.

Não há nada de particularmente bom, o domingo é um dia de despedidas, de ressaca, de anti-clímax. Nada funciona direito, o céu é mais cinza, os rostos mais tristes, as ruas mais vazias, as portas fechadas. Nada para fazer. Ninguém quer sair. Se engana se acha que é o início da semana, domingo é um dia de finais, não de começos.

Só que hoje o domingo não dói mais em mim. Não mais porque recuso a idéia de dia útil e final de semana. Eu não vejo assim, todos os dias são igualmente úteis, as semanas não acabam ou começam. A vida flui constantemente, todo dia é diferente e eu gosto de todos os dias.

Durante a semana eu converso com pessoas, conheço lugares, me divirto, me emociono. Faço isso de segunda a segunda, sem distinção.

Trabalhar, estudar, compromissos… Faz parte da vida.

Nem todo mundo tem a sorte que eu tenho de fazer o que gosta todos os dias. Mas se você não tem essa sorte, brigue por isso, não se conforme.

Ou terá que apanhar do domingo toda semana.

Porque parei de fazer vídeos

vlogEu costumava atualizar um vlog chamado “o admirável vlog de diego“. Tudo começou quando eu e meu primo criamos um vlog em torno das divagações dele que ficou muito engraçado, criativo e inteligente e fez muito sucesso. Eu quis fazer o meu também, afinal, desde sempre, gostei de dar minha opinião onde não fui chamado.

Durante esses anos eu postei talvez algumas dezenas de vídeos no canal que variam temas desde a criação do universo até imitações de mexicano violeiro. Foi muito divertido gravar e editar os vídeos. Mas, sinceramente, eu perdi o gosto de ligar a câmera e gravar. Por enquanto. Ou pra sempre.

As coisas mudam, a gente muda. Um mesmo homem não se banha no mesmo rio duas vezes, disse Heráclito, pois o homem muda e não é mais o mesmo, as águas passam e serão outras…

Eu queria ser astronauta. Aí me dizem: todo mundo queria e blá-blé.  Não é isso, é que eu re-al-men-te queria ser astronauta, eu queria estar no espaço agora. É o que eu queria.

Ontem fiquei vendo vídeos da grande pirâmide de Gizé, de como ela é enorme e como ela era brilhante e branca quando era donzela. E você sabia que aquelas estátuas brancas gregas eram na verdade coloridas com cores de festa junina? Pois é, tantas coisas me interessam por aí, e nenhuma delas é um vlog.

De repente tive que aceitar uma verdade inconveniente: eu não assisto vlogs. E o aumento do aquecimento global tem origem na atividade humana, mesmo.

Vi uma entrevista com Kieslowski e ele, consagrado cineasta polonês, disse que não gostava de cinema. Por isso que aquela trilogia das cores é tão chata, ele não gosta de consumir o que faz.

Eu não consumo vlogs, não acho que deva fazer um.

Amanhã mudo de idéia.

Milésimo blog

Olá leitores. Esse é, oficialmente, o milésimo blog que faço.

Eu não tenho nem vergonha de admitir que eu já abandonei outros 999 blogs e, sinceramente, logo vou abandonar esse também.

Ah, eu também abandonei meu vlog e várias outras coisas que comecei.

Mesmo assim, pretendo que, na sua breve existência, esse blog seja inspirador, divertido ou simplesmente útil para você!

Seja bem vindo =)