A pessoa mais bonita

Quando acordei hoje, eu era a pessoa mais bonita do mundo.

Despenteado, saí sem vestir nada de especial: calça jeans, camiseta e meus tênis confortáveis com cadarços que não precisam amarrar.

Da grande barriga às covinhas nos punhos, da barba ruiva às entradas no meu cabelo, dos meus um e oitenta aos meus cento e trinta, eu era todo eu mesmo.

Um cara comum, como eu, é visto por muita gente quando sai de casa. Nunca vou saber exatamente quem, mas teve uma dessas pessoas que me viu e pensou: esse é o cara mais bonito de todo o mundo.

Por mais humilde que eu fosse, não pude contrariá-la. Nem meu tamanho desproporcional, nem meu rosto assimétrico, nem meus cabelos ralos e ressecados puderam me ajudar a não ser a pessoa mais bonita do mundo. Não pude evitar, pois toda a minha beleza estava dentro daquela pessoa, não em mim.

Porque quando você diz que alguém é belo ou feio, nunca está dizendo algo sobre a pessoa, está sempre dizendo algo sobre si mesmo. O correto não seria dizer “isso é belo”, mas sim “isso é belo em minha mente, em minha alma”.

Minha mãe comia, quando criança, a massa de macarrão que a minha vó fazia. Era uma massa caseira, uma experiência única, que ninguém mais provou. Eu, hoje, como o macarrão que vende no mercado, aquele mesmo que você compra, idêntico ao meu. Querem que todos os macarrões sejam iguais…

Querem que todas as belezas sejam iguais também. Querem que a minha mente e a sua mente e a de todo mundo concorde que isso é belo ou aquilo é feio. Querem anular a beleza dentro de você e de mim e substituir por uma beleza pré-fabricada, que se compra no mercado.

Começam criando um padrão de beleza. Depois, criando uma indústria de produtos que prometem deixar as pessoas mais próximas desse padrão. Por fim, espalham em cada canto do mundo uma imagem dizendo que aquilo é belo e dizendo que o contrário é feio.

Já imaginou um dia inteiro sem ver uma imagem que diga pra você o que é belo e o que é feio? Duvido que você tenha tido um dia sequer desses na sua vida até hoje.

Karen Carpenter era uma jovem e talentosa baterista que cantava lindamente. Seu canto era tão bonito que, ao ouvi-lo, todas as coisas do mundo se tornavam belas. Mas isso não foi suficiente, pois o mundo de sua época dizia que a beleza da mulher era proporcional a quanto ela era magra, e isso contribuiu para que ela morresse de anorexia antes de completar 33 anos.

Estimulam a auto-estima de quem se enquadra no padrão e destroem a auto-estima daqueles que não se enquadram. O resultado é tanta gente querendo mudar o que é para ser mais bela, sendo que tudo que precisam é achar alguém disposto a ver a beleza nelas.

Querem assassinar a beleza, mas será impossível. Sua beleza é uma rosa que nasce na alma de quem te vê. Os poderosos podem matar uma, duas ou três rosas, mas não podem deter a primavera – já disse Che Guevara.

A minha beleza, bem, não sei quantas rosas tem por aí pra mim. Mas hoje, quando acordei, eu era a pessoa mais bonita do mundo.

 

diegoquinteiro

Meu nome é Diego Moreno Quinteiro, tenho 29 e moro em São Paulo, cidade que amodeio. Gosto de escrever, de colocar vírgulas e de não ligar pra ortografia – então fiz um blog.

 

Warning: require_once(/home/wp_24se69/diegoquinteiro.com/wp-content/themes/casper-master/footer.php): failed to open stream: Permission denied in /home/wp_24se69/diegoquinteiro.com/wp-includes/template.php on line 688

Fatal error: require_once(): Failed opening required '/home/wp_24se69/diegoquinteiro.com/wp-content/themes/casper-master/footer.php' (include_path='.:/usr/local/lib/php:/usr/local/php5/lib/pear') in /home/wp_24se69/diegoquinteiro.com/wp-includes/template.php on line 688